domingo, julho 10, 2005

Momentos poéticos II



Dando continuidade a série, um poema que conheci em Patch Adams e é o meu predileto:




Não te amo como se fosses a rosa de sal, topázio
Ou flechas de cravos que propagam o fogo:
Te amo como se amam certas coisas obscuras,
Secretamente, entre a sombra e a alma.

Te amo como a planta que não floresce e leva
Dentro de si, oculta, a luz daquelas flores,
E graças a teu amor vive escuro em meu corpo
O apertado aroma que ascendeu da terra.

Te amo sem saber como, nem quando, nem onde,
Te amo assim diretamente sem problemas nem orgulho:
Assim te amo porque não sei amar de outra maneira,

Senão assim deste modo que não sou nem és,
Tão perto que tua mão sobre o meu peito é minha,
Tão perto que se fecham teus olhos com meu sonho.
(Pablo Nerruda)
***
Musica do Dia: Forever By Your side- The Manhatans

2 comentários:

BIANCA NAIR disse...

ACHEI ESSE POEMA LINDO, COM PALAVRAS QUE REALMENTE TOCAM FUNDO AO CORAÇÃO ,NOS FAZENDO PARAR PRA PENSAR, POR QUE AMAR É TÃO BOM, APESAR DE DOER TANTO.
AH!DESCULPE EU NÃO ME APRESENTEI, BIANCA SUA COMPANHEIRA DA COMUNIDADE BLOGUEIROS DO RIO.
VALEU À PENA VISITAR VOCÊ, GOSTEI MUITO. ADORO PESSOAS SENSÍVEIS E INTELIGENTES,PARABÉNS!
ATÉ A PRÓXIMA.

Caxinhus Douradus disse...

Demorei mas passei por aki.
Esse é o cara!!!! Um amigo q adolu +qd+. Vim deixar a minha markinha deixa a sua tb no meu flog
Bjux